Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Assine e divulgue o manifesto em defesa da democracia e da Caixa pública

Por: Imprensa19/10/18 09:46

Brasil está diante de dois projetos distintos, mas um deles coloca em risco os direitos humanos e a soberania

 

Manifesto em Defesa da Democracia e da Caixa Pública

A chegada ao segundo turno das eleições presidenciais traz dois projetos de governo distintos e norteia a criação desse manifesto. Primeiro, porque nossa jovem democracia foi reconquistada após 21 anos de ditadura civil-militar que resultaram em centenas de mortos e desaparecidos e um retrocesso assustador, com cerceamento de direitos e empobrecimento da população. Não queremos, de forma alguma, que esse estado de exceção se torne regra e novamente recaia sobre o País o obscurantismo, com seus tentáculos de violência e medo.

Segundo, porque a manutenção de bancos públicos, como é o caso da Caixa, é condição essencial para promover o desenvolvimento. Há programas sociais que já se mostraram eficazes para redução da desigualdade e da pobreza, como é o caso do Bolsa Família e do Minha Casa, Minha Vida, entre vários outros em educação, esportes, cultura etc. A Caixa é fundamental para a oferta de crédito, no financiamento da infraestrutura e habitação, e sua privatização, parcial ou total, seria determinante para o fim de seu destacado papel no investimento do Brasil.

O projeto do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, é privatista, como consta em seu plano de governo e é afirmado por seu mentor econômico e anunciado ministro da economia, Paulo Guedes. Já o candidato do PT, Fernando Haddad, assinou termo elaborado pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas no último 7 de outubro em que se compromete a “apoiar e defender o fortalecimento das empresas públicas em nome do interesse coletivo e da soberania nacional” caso eleito. São posições antagônicas que precisam ser consideradas na hora do voto.

Somente em um Estado de direito democrático é possível controlar e exigir transparência de empresas, sejam elas públicas ou privadas. A corrupção não é privilégio de um ou outro setor ou de um ou outro governo e, para combatê-la, defendemos a ampliação do controle social do Estado.

Assim, manifestamos publicamente que:

Defendemos a democracia e o Estado de direito democrático;

Defendemos os direitos e garantias dos trabalhadores, tão duramente conquistados;

Defendemos o patrimônio público e a Caixa Pública;

Defendemos o desenvolvimento e a paz, em repúdio à disseminação do ódio e da violência na sociedade brasileira.

São Paulo, 10 de outubro de 2018

Para assinar clique aqui.

 

 

 

 

 

 

 

Entre em

Contato