Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Com megaleilão do petróleo e gás, na quarta (6), riqueza do povo brasileiro escorre pelo ralo

Por: Imprensa04/11/19 13:39

Dinheiro que deveria alimentar desenvolvimento do País pode ir para a mão de grandes empresas estrangeiras

 

O Brasil deve assistir nesta semana a um megaleilão na área de petróleo e gás. Na quarta, 6, o governo vai colocar à venda quatro áreas exploratórias no pré-sal na Bacia de Santos, esperando alcançar até R$ 106,6 bilhões. Doze empresas vão disputar a rodada, entre elas a Petrobras - que exerceu direito de preferência para operar duas áreas, Búzios e Itapu. No entanto, a maior parte do patrimônio deverá ir para a iniciativa privada, desfalcando o País de um grande tesouro cujo retorno deveria ser destinado ao desenvolvimento do povo brasileiro.

Segundo especialistas no setor a venda representa um desmonte do setor energético do País, com sequelas irreversíveis. Hoje o pré-sal já responde por mais da metade da produção nacional e ajudou a Petrobras a bater a marca dos três milhões de barris diários. O valor que está sendo cobrado por barril na venda da cessão onerosa está calculado na casa do US$ 6 a US$ 7. Com um custo de produção de US$ 10, chegando a US$ 20 com os impostos e transferências, os vencedores do leilão vão ganhar seis, sete e até oito vezes mais do que isso, vendendo esse mesmo barril no mercado internacional a US$ 60 dólares.

Considerada uma avaliação mínima de 6 bilhões de barris, o ganho com a comercialização do óleo chegará a R$ 800 bilhões, podendo atingir até R$ 2 trilhões. Ou seja: o governo vai vender por R$ 100 bilhões o que vale, por baixo, R$ 900 bilhões.

“Com a venda o petróleo brasileiro vai servir para que empresas multinacionais lucrem ainda mais, enquanto a população não verá um centavo dessa riqueza. É mais um ataque a uma grande e lucrativa empresa nacional, uma privatização fatiada em setor estratégico e que atinge em cheio a soberania brasileira”, destaca a coordenadora do Comitê nacional em Defesa das Empresas Públicas, Rita Serrano.

 

Entre em

Contato