Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Nova reunião do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas deve ocorrer na segunda quinzena de janeiro

Por: Imprensa19/11/18 10:35

Nova reunião do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas deve ocorrer na segunda quinzena de janeiro

O governo Temer entregou no começo desse mês ao presidente eleito Jair Bolsonaro o relatório Transição de Governo (2018-2019) – Informações Estratégicas, elaborado pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Com 176 páginas, o documento traz entre as abordagens a questão das empresas públicas, com destaque para a privatização das distribuidoras da Eletrobras.

A íntegra do relatório segue disponível abaixo. Para o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas é importante sua leitura pelos representantes das entidades que lutam contra a privatização, como forma de aprofundar o conhecimento sobre as ações realizadas e sugeridas pelo governo e para subsidiar novas iniciativas em defesa das estatais.

De acordo com o relatório, “o universo de 154 empresas existentes em 2016 foi reduzido para 138 até setembro/2018. A redução de 16 empresas ocorreu da seguinte forma: 5 por incorporação, 2 por liquidação, 1 por extinção e 8 por venda”. Também são destacados dados sobre o conjunto das estatais federais no ano de 2017, como o lucro de R$ 25,2 bilhões; patrimônio líquido: de R$ 582,1 bilhões e número de empregados próprios de 508.346.

“A defesa das empresas públicas é a razão de existir do comitê, e haverá muito trabalho nesse próximo período. Como temos dificuldade em nos reunir constantemente peço que todos leiam o documento e apresentem questões de cada segmento representado nos canais de comunicação que dispomos”, afirma a coordenadora do comitê, Maria Rita Serrano.

Ela explica que, por questões de agenda, não foi possível programar reunião para esse final de ano, adiada para a segunda quinzena de janeiro em Brasília.  “Vamos aproveitar o prazo para elaborar nossos questionamentos e em seguida definirmos estratégias na reunião”, antecipa, acrescentando que amanhã, 20 de Novembro, dia da Consciência Negra e feriado em várias cidades, é “mais um dia de luta para lembrarmos que as diferenças persistem e precisamos combatê-las”.

Relatório - clique aqui.

 

Entre em

Contato