Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Privatizações: a hora de reagir é agora, aponta coordenadora do comitê

Por: Imprensa23/08/19 12:11

Rita Serrano convoca participantes do comitê a intensificar ações e informações sobre riscos da privatização aos brasileiros e fortalecer a disputa também no âmbito político

A privatização de 17 (*) empresas anunciada ontem, 20, pelo ministro da Economia Paulo Guedes confirma a intenção do governo Bolsonaro em acabar com o patrimônio dos brasileiros, atendendo a interesses de mercado. Embora a lista oficial não tenha sido divulgada ainda, a que circula na mídia inclui, por exemplo, a Lotex, Eletrobras, Casa da Moeda, Empresa Brasileira de Comunicação, Correios, Telebras, CBTU.

“A hora de reagir é agora. Nós, que formamos o comitê e representamos entidades combativas de categorias organizadas, temos que insistir na informação para mostrar o quanto a privatização será maléfica. Além disso, ampliar também a pressão sobre os parlamentares, para que nos apoiem; intensificar a participação em audiências públicas e divulgar nossos materiais, como a cartilha sobre Fakes e Fatos e vídeos da campanha em defesa do que é público”, afirma a coordenadora do comitê nacional em defesa das empresas públicas, Rita Serrano.

Rita, que cumpre agenda para prestação de seu mandato como conselheira no CA da Caixa, tem levado essa mensagem também aos empregados do banco durante as reuniões que vem realizando pelo interior de São Paulo. Além disso, lembra da importância da participação de todos nos próximos dias 4 e 5, quando haverá ato e seminário em Brasília para defesa da soberania nacional e popular na Câmara dos Deputados; do encontro com especialistas em advocacia estatal na OAB no próximo dia 27, também em Brasília, e da Oficina Estado e serviços públicos no Brasil, em 29 de agosto, com local ainda a confirmar.

 

(*) Posteriormente foram anunciadas privatizações de 9 empresas e dois parques nacionais, mas todas as citadas na reportagem continuam na mira privatista do governo

Entre em

Contato