Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Todo apoio à greve dos petroleiros

Por: Imprensa03/02/20 10:22

Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas se solidariza com movimento, marcado pela coragem e resistência da categoria, e conclama outras entidades a declararem apoio

O Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas se solidariza e apoia os petroleiros em greve desde o último dia 1º. A greve foi deflagrada para reivindicar a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) e pelo estabelecimento de um processo de negociação com a Petrobras, para que cumpra de fato o que prevê o Acordo Coletivo de Trabalho, com a suspensão imediata de medidas unilaterais que afetam a vida de milhares de trabalhadores.

“Os petroleiros estão demonstrando sua coragem e resistência na defesa de empregos, direitos e da empresa pública. Têm toda nossa solidariedade, e orientamos a todas as entidades participantes do comitê que também divulguem seu apoio”, afirma a coordenadora do comitê, Rita Serrano. Os trabalhadores petroleiros garantiram na Justiça o direito de ocupação no edifício sede da Petrobrás por diretores da FUP e do Sindiquímica-PR. Também determinou que a Petrobras religasse a energia elétrica e água do andar onde está a sala ocupada, que haviam sido cortadas pela empresa de forma unilateral no último sábado, sob pena de multa de R$ 100 mil por hora de não-fornecimento.

Até ontem já eram a greve já atingia cerca de 8 mil trabalhadores, com 17 unidades operacionais da Petrobras sem rendição nos turnos pelo País, mas o total deve ser ampliado nesta segunda, com os trabalhadores dos serviços administrativos. Diversos atos também estão previstos. Na Fafen-PR petroquímicos e petroleiros seguem acampados com suas famílias em frente à unidade há 14 dias, na tentativa de impedir o fechamento e as mil demissões anunciadas. Após vazamento de amônia, os trabalhadores da operação e manutenção que estavam dentro da fábrica, sem rendição no turno, deixaram a unidade, pois o Ministério Público do Trabalho constatou a insegurança da planta.

Entre em

Contato