Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Com livro, debates e manifestações, cresce defesa das empresas públicas e de seus trabalhadores

Por: Imprensa26/04/18 13:12

Maio também será marcado por atividades contra desmontes e privatização; dia 8 tem seminário no Congresso Nacional

Com livro, debates e manifestações, cresce defesa das empresas públicas e de seus trabalhadores

Maio também será marcado por atividades contra desmontes e privatização; dia 8 tem seminário no Congresso Nacional

Pernambuco, Brasília e Rio de Janeiro receberam nesta semana o livro “Se é público, é para todos”, em atividades marcadas pela defesa das empresas públicas e de seus trabalhadores. A publicação, que reúne ensaios relacionados à temática, com destaque para as trajetórias e importância da Caixa e Petrobras no desenvolvimento do País, teve lançamento nacional no último dia 13 em Santo André (SP).

Em Pernambuco, o livro foi lançado no último dia 24 no Sindicato dos Bancários, reunindo representantes de mais de 20 entidades. “É importante que cada bancária e bancário dialogue com o cliente sobre o que significa ter a Caixa, o Banco do Nordeste e o Banco do Brasil fortes. Precisamos estar juntos neste momento de resistência”, afirmou a presidente da entidade, Suzineide Rodrigues.

A coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, autora do capítulo sobre o banco, destacou que “as empresas públicas investiram R$ 56 bilhões em saneamento, energia elétrica e moradia. O Estado não pode abrir mão de setores estratégicos para o desenvolvimento do País”. Na quinta, 26, ela também participou do lançamento da obra no encontro nacional dos arquitetos e engenheiros da Caixa, em Brasília, cujos debates tiveram entre os temas a habitação e interesse social, infraestrutura e desenvolvimento urbano.

“São questões fundamentais para os brasileiros e para a Caixa, gestora dos programas nessas áreas. Se deixar de ser pública, nenhum banco privado fará esse trabalho”, afirmou Rita, lembrando que a questão passa pela política de governo e, o atual, golpista, tem interesse apenas em desmontar e precarizar as empresas e serviços públicos brasileiros.

Petrobras – Entre as centenas de empresas públicas ameaçadas está a Petrobras. Uma grande manifestação em sua defesa ocorre no Rio de Janeiro nesta quinta, 26, e atingiu várias outras capitais brasileiras. A programação inclui também o lançamento do livro “Se é público, é para todos”, já que um dos autores, João Moraes, é representante da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

O ato no Rio contou com as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e denunciou que, em menos de dois anos, os golpistas já entregaram mais de 30 ativos estratégicos da petroleira e avançam agora contra as refinarias, terminais e oleodutos. Além disso, para acelerar a privataria, o governo indicou para o Conselho de Administração da Empresa ex-executivos de multinacionais que concorrem com a empresa. “A sociedade brasileira tem que saber de mais essa manobra do governo entreguista de Michel Temer e de seu capataz Pedro Parente”, destacou o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

Maio de luta – O descaso do atual governo com serviços e empresas públicas e a retirada de direitos dos trabalhadores também deverão marcar este mês de maio, que já começa com os protestos nacionais no Primeiro de Maio. No dia 8, as entidades que integram o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, entre elas centrais e sindicatos, ao lado de parlamentares e representantes do movimento social, realizam seminário e ato no Congresso Nacional, além do lançamento do livro. A agenda prossegue com atividades no Piauí, Minas Gerais e São Paulo (confira calendário).

Além de Rita Serrano e João Moraes, o livro “Se é público, é para todos” tem como autores o economista Fernando Nogueira, que reflete sobre a concessão de crédito por bancos estatais, e Emir Sader, organizador, apresentando visão abrangente do tema. Para adquirir um exemplar (ao custo de R$ 20 mais taxas de correio) basta entrar em contato pelo e-mail publicccomite@gmail.com. Os valores serão revertidos para a campanha “Se é público, é para todos´, lançada em 2016 para defender empresas e demais bens públicos dos brasileiros.

Entre em

Contato