Selecione Layout

Padrão de fundo

  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #
  • #

Cor

#

Governo articula compra de votos para aprovar Reforma Administrativa. Mobilização continua.

Por: Aline Rossi14/10/2021 21:53

Segundo o jornal Gazeta do Povo, seriam disponibilizados mais de R$ 6 bilhões em emendas parlamentares

Pouco mais de R$ 6 bilhões. Esse é o valor que o governo comandado pelo presidente Jair Bolsonaro está disposto a gastar dos cofres públicos para aprovar a PEC 32, também conhecida como Reforma Administrativa.

De acordo com o jornal Gazeta do Povo, o ministro da economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos deputados, Artur Lira, teriam fechado um acordo e vão oferecer R$ 20 milhões para que cada deputado vote a favor da Reforma.
Ainda de acordo com o jornal, esse valor seria disponibilizado por meio de emendas parlamentares e seriam liberados por meio de recursos de emendas do relator do Orçamento de 2022, Hugo Leal (PSD-RJ).
“O governo tenta, a todo instante, destruir com a proteção social do Estado. Agora, em especial, quer acabar com o funcionalismo público e, consequentemente, desamparar milhões de brasileiros que tem no serviço público, a sua única salvaguarda”, avalia a coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e representante dos empregados da Caixa no conselho de administração do banco, Rita Serrano.  
Mobilização
Neste momento, a PEC está em tramitação na Câmara. O relatório do deputado Arthur Maia (DEM-BA) foi aprovado pela comissão especial e está pronto para ser votado no plenário da casa. Como se trata de uma PEC, a proposta tem que ser aprovada em dois turnos na Câmara e no Senado, por maioria absoluta. São necessários 308 votos na Câmara e 49 no Senado.
Rita Serrano afirma que o momento é de intensificar as mobilizações e pressionar os parlamentares. 
Um dos caminhos é o site Na Pressão. Lá, você pode conhecer a opinião dos deputados sobre a PEC 32 e enviar mensagens diretamente para o parlamentar. O portal está no endereço: https://napressao.org.br/campanha/diga-nao-a-reforma-administrativa
Outra opção é procurar os sindicatos e as entidades que representam os trabalhadores.

Entre em

Contato